Greve de servidores pode acabar amanhã

Os servidores do Judiciário da União e do Ministério Público Federal podem acabar amanhã com a greve iniciada há cerca de um mês. Sindicalistas que representam as duas categorias consideraram satisfatória a proposta do governo que parcela em quatro vezes e em dois anos e meio o pagamento do reajuste aos funcionários. A possibilidade de acordo será discutida nesta quarta-feira durante uma assembléia marcada para as 14 horas na Praça dos Tribunais, em Brasília. Outras reuniões de servidores também deverão ocorrer em vários Estados. Ontem, coordenadores da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e do Ministério Público da União (Fenajufe) estiveram com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Nelson Jobim, para tratar do acordo. Eles disseram que concordam com a maior parte da proposta, mas que gostariam de antecipar o recebimento da última parcela do reajuste, prevista para ser paga em 2005. Jobim afirmou que dificilmente essa data será mudada.Outro problema enfrentado pelos grevistas é a ameaça de corte de salário. A Justiça não reconhece o direito de greve dos funcionários públicos por entender que ele ainda não foi regulamentado por meio de uma legislação específica.Nelson Jobim garantiu ontem que os servidores da Justiça Eleitoral que fizeram greve não terão os seus pontos cortados. Segundo os sindicalistas, o ministro também se comprometeu a discutir hoje o problema do corte dos salários nas demais Justiças com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.