Greve de polícia é motim, diz Gregori

O governo estuda medidas para reagir às sucessivas greves das PolíciasMilitares (PMs). ?Não se pode manter o status quo?, resume o ministro da Justiça, José Gregori, convencido de que é precisomexer a fundo na atual estrutura de segurança pública.Sem adiantar o que será feito, ele menciona propostas como a criação de uma guarda nacional e a permissão aos Estadospara que decidam pela unificação ou não das polícias civil e militar. As duas medidas exigem mudança da Constituição e játramitam no Congresso.As declarações do ministro sugerem que o governo não se limitará a uma postura passiva, restrita ao envio de tropas doExército quando acionado pelos governadores ? após a situação já ter fugido ao controle. ?Várias idéias estão sendoconsideradas?, diz.Gregori acredita que a sucessão de greves das PMs em Tocantins, Bahia e Alagoas vai dar ?mais agilidade? à tramitação dasemendas constitucionais.Uma vez criada, a guarda nacional atuaria em situações emergenciais nos Estados e cuidaria dasegurança de prédios públicos federais.Mas a questão salarial, foco central das reivindicações dos movimentos dos policiais, continua sob responsabilidade dosgovernos estaduais.Nesse sentido, ele admite que o Plano Nacional de Segurança Pública não tem como ajudar, pois fornece apenasinfra-estrutura.Citando os casos de Tocantins e Bahia, em que a presença do Exército evitou o caos nas capitais, o ministro enfatiza que asForças Armadas estão aptas a responder sempre que convocadas. ?Não há dúvidas sobre isso.?O que sobra são críticas àspolícias militares. Na avaliação do ministro, as greves mostram a ?ausência de comando, hierarquia e disciplina?, pressupostosbásicos do funcionamento das corporações.Para ele, a paralisação de ?pessoas que recebem armas do governo para manter a ordem? só tem um nome: ?motim?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.