Greve da Polícia Federal não tem adesão do administrativo

O sindicato dos funcionários da área administrativa da Polícia Federal informa que não participa do movimento de advertência que os policiais federais realizam nesta quinta-feira, 15, em todo o País. Conforme a nota do Sindicato Nacional dos Servidores do Plano Especial de Cargos da Polícia Federal (SINPECPF), o pessoal administrativo "não aderiu à paralisação porque as reivindicações dos policiais federais não apresentam em nenhum momento proposta de interesse" da categoria. Os policiais federais realizam nesta quinta-feira, 15, uma greve nacional de advertência em defesa da segunda parcela da reposição salarial, de 30%, negociada no acordo salarial do ano passado, a qual o governo agora se recusa a cumprir. A categoria quer também a revisão do Projeto de Lei Orgânica da PF, enviada pelo Ministério da Justiça ao Congresso. Uma das categorias mais bem pagas do país, os policiais federais recebem entre R$ 7 mil (agentes em início de carreira) e 16 mil, delegados em fim de carreira. Esses valores podem ser acrescidos de algumas vantagens e ganhos indiretos. Com essa mobilização, os policiais entram em estado de greve para obrigar o governo a negociar sua pauta de reivindicações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.