Greve da PF provoca filas até na Ponte Aérea em Congonhas

A ação dos policiais federais grevistas no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, começou hoje. Com o objetivo de chamar a atenção para a falta de efetivo e tentar aumento salarial, os agentes da PF estão exigindo, na entrada do embarque, a apresentação de RG ou passaporte para conferir os dados com a passagem. O procedimento já causa grandes filas, principalmente no embarque para a ponte aérea Rio-São Paulo. Desde terça-feira, uma operação parecida já vem sendo feita no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos. Em Salvador, o superintendente regional da PF Silvan Frenzel recomendou às pessoas que necessitam tirar passaporte na capital baiana que se dirija à sede do órgão e não mais aos postos da PF do Serviço de Atendimento ao Cidadão instalados nos principais shoppings da cidade. Os postos ficaram inoperantes por causa da greve dos agentes federais, mas Frenzel garante que com o esquema de plantão montado na sede da PF não foi interrompida a emissão de passaportes. Por outro lado, as investigações, inclusive as das casas de bingo, foram paralisadas. Os grevistas também permanecem com o esquema de redução de funcionários do posto do aeroporto o que provoca longos atrasos nos dias de grande movimento de partida e chegada de vôos internacionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.