Greve da Justiça Eleitoral pode prejudicar último dia para registro de candidaturas

Tradicionalmente os políticos optam por registrar suas candidaturas no último dia; TRE de Goiás teve maior adesão

Mariângela Gallucci, de O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2012 | 19h49

Para disputar as eleições municipais de outubro, os políticos têm até esta quinta para apresentar o seu registro eleitoral. E a Justiça Eleitoral terá uma preocupação a mais porque para tentar conseguir um aumento salarial parte de seus funcionários aderiu a uma paralisação marcada para esta quarta e quinta-feira, 4 e 5, respectivamente.

Para acompanhar a situação e evitar que o processo de registro de candidaturas fique comprometido, a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Cármen Lúcia, está em constante contato com os tribunais regionais eleitorais (TREs) dos 27 Estados do País. De todos os tribunais, o que mais preocupa a Justiça Eleitoral é o TRE de Goiás. Lá houve uma adesão maior à paralisação.

Na quarta, o movimento nos TREs para registros de candidaturas não foi muito grande e, portanto, não ocorreram problemas. Mas nesta quinta a situação deve ser diferente. Tradicionalmente os políticos optam por registrar suas candidaturas no último dia, que é 5 de julho.

Para fazer um registro de candidatura, o político tem de preencher um formulário e protocolá-lo no TRE. Diante da paralisação de funcionários anunciada para esta semana, a maioria dos tribunais do País tomou providência para evitar que ocorresse um caos no processo de registros de candidaturas.

Na terça-feira, Cármen Lúcia esteve reunida com os presidentes dos TREs para falar sobre o assunto. Ela estava preocupada com o fato de a paralisação anunciada pelos servidores coincidir com o fim do prazo para registro das candidaturas.

"É uma preocupação porque eu entendo legítimo o pleito dos servidores de que haja o reajuste cumprindo a Constituição. Mas muito mais do que isso, a maior legitimidade que se tem na democracia é a do cidadão brasileiro ter todos os órgãos, antes das eleições, atuando na sua plena capacidade, especialmente em dias como este dia 5, que será dia de recebimento de pedido de registro. É da maior importância, portanto, que a gente consiga tornar efetivo este pedido (de registro). Portanto, qualquer paralisação que coloque em risco esse cumprimento do calendário eleitoral é grave", disse a ministra na ocasião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.