Greve atinge pólo de fruticultura no Vale do São Francisco

O pólo de fruticultura irrigada do Vale do Rio São Francisco enfrenta a maior greve de sua história: cerca de 70 mil trabalhadores rurais que atuam nas lavouras em vários municípios da fronteira entre a Bahia e Pernambuco estão parados há uma semana reivindicando um piso salarial de R$ 330. A produção de frutas na região chega a 1,5 milhão de toneladas/ano e grande parte é exportada. O Vale do São Francisco é responsável por 97% das exportações de uva do Brasil.A greve está sendo organizada pelos sindicatos rurais da microrregião e pelas federações de trabalhadores na agricultura dos estados da Bahia e Pernambuco. Diariamente sindicalistas realizam piquetes nas estradas de acesso às fazendas para impedir a passagem dos lavradores que não aderiram espontaneamente à paralisação.O sindicato patronal contrapropôs um piso de R$ 250 que foi recusado pelos trabalhadores. Diante do impasse, as partes esperam uma decisão da Justiça do Trabalho que está julgando o dissídio coletivo. O temor dos fazendeiros, que já tiveram grandes prejuízos devido às fortes chuvas que atingiram a região nos últimos meses, é que uma greve longa possa prejudicar a colheita da uva iniciada em março.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.