Gregori nega que tenha cedido a presos

O ministro da Justiça, José Gregori, negou hoje que tenha sido transigente com os amotinados da Penitenciária Central do Estado do Paraná (PCE), em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, pelo fato de ter enviado um ofício aos presos garantindo-lhes a integridade física, no final das negociações que colocaram fim à rebelião. "Não foi uma carta deste ministro para os amotinados, mas uma resposta ao pedido feito pelas autoridades de Segurança Pública do Paraná, que nos disseram que a carta seria crucial para negociar o fim da rebelião", justificou-se o ministro. Gregori afirmou que a carta "nada mais foi" do que uma exposição dos princípios do Ministério da Justiça, que se opõe à qualquer tipo de "vingança ou retaliação" contra os presos depois de rebeliões. "Dado o vulto do episódio, a quantidade de vidas de reféns em jogo, não poderíamos deixar de atender o pedido das autoridades do Paraná", disse Gregori.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.