Gregori nega conflitos na prisão de Beira-Mar

O ministro da Justiça, José Gregori, negou hoje a existência de polêmica entre as autoridades da área de segurança no Rio e o Ministério da Justiça acerca da prisão do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. Gregori disse ter boas relações com o secretário de Segurança Pública, coronel Josias Quintal, e reconheceu a importância da polícia fluminense e do Ministério Público Estadual na prisão de Beira-Mar. "Não é segredo para ninguém que a polícia do Rio de Janeiro e mesmo a promotoria desenvolveram esforços junto com a Polícia Federal e o Ministério da Justiça para que a condição de foragido de Beira-Mar não fosse confortável", disse Gregori. "Não há polêmica, não há farpas."O ministro afirmou ainda que "o passado do traficante faz com que ele tenha muitas contas a acertar com as autoridades fluminenses e com a Polícia Federal, além da polícia mineira." Segundo Gregori, "a Polícia Federal e o Ministério da Justiça jamais truncarão as investigações necessárias para a conclusão dos inquéritos abertos no Rio". O ministro disse que não há ainda uma data definida para a chegada de Beira-Mar ao Brasil e não revelou o local onde ele ficará preso. Ele afirmou também que não sabe se o traficante será extraditado ou expulso da Colômbia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.