Greenhalgh admite à PF contato com Gilberto Carvalho

O ex-deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP) confirmou ontem à Polícia Federal que durante o inquérito da Operação Satiagraha procurou Gilberto Carvalho, chefe de gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Greenhalgh disse que fez contato com Carvalho porque havia sido avisado por um cliente - Humberto Braz, ex-presidente da Brasil Telecom - de que ?agentes da Presidência da República? o espionavam.

AE, Agencia Estado

25 de março de 2009 | 09h55

O depoimento do ex-deputado - que é advogado do Grupo Opportunity, de Daniel Dantas - durou uma hora e meia na Delegacia de Combate a Crimes Financeiros (Delefin) da PF em São Paulo. O delegado Ricardo Saadi, que sucedeu Protógenes Queiroz na Satiagraha, e o procurador da República Rodrigo de Grandis insistiram nos motivos que levaram Greenhalgh a telefonar para o assessor particular de Lula.

Greenhalgh não foi indiciado. Ele respondeu a todas as perguntas, acompanhado do criminalista José Roberto Batochio, que a Ordem dos Advogados do Brasil designou especialmente para o caso. O ex-deputado fez críticas a Protógenes, que queria seu enquadramento. ?O que me incomoda é ele pairar de paladino da moralidade pública. Humberto Braz foi condenado a 7 anos de prisão por corrupção ativa na mesma ação em que Dantas pegou 10 anos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
SatiagrahaGreenhalghGilberto Carvalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.