Grazziotin pede convocação de ex-contadora de Youssef

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e integrantes da oposição apresentaram na tarde desta segunda-feira, 11, um requerimento pedindo a convocação de Meire Bonfim Poza, ex-contadora do doleiro Alberto Youssef, preso durante as investigações da Operação Lava Jato, deflagrada pela Polícia Federal. À revista Veja deste fim de semana, a ex-contadora revelou detalhes do suposto esquema de pagamento de propina a políticos usando recursos da Petrobras.

RICARDO BRITO, Estadão Conteúdo

11 de agosto de 2014 | 19h18

"É de suma importância a oitiva da senhora Meire Bonfim Poza, para que esclareça as declarações à revista Veja, de que foi testemunha das ações coordenadas pelo senhor Alberto Youssef durante três anos, manuseando notas fiscais frias, assinando contratos de serviços inexistentes, montando empresas de fachada e organizando planilhas de pagamento. Como o cerne de suas declarações também relaciona as atividades criminosas da qual foi testemunha com o escopo das investigações que temos realizado, julgo importantíssimo que possamos ouvi-la", afirmou a senadora, na justificativa do requerimento. A reportagem tentou, sem sucesso, falar com a senadora do PCdoB.

No domingo, 10, o relator da CPI mista, deputado Marco Maia (PT-RS), já havia defendido a convocação da ex-contadora de Youssef dizendo que ela já aceitou colaborar com as investigações da Polícia Federal a respeito das relações do ex-chefe com políticos e empreiteiras. Meire prestou dois depoimentos à PF em julho, um no dia 23 e outro no dia 25. Ambos foram publicados na íntegra pelo blog do repórter Fausto Macedo, do portal Estadão.com. Para o petista, ela é "uma peça importante no processo de investigação da própria CPI".

A oposição também apresentou dois pedidos para ouvir Meire, um do líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR), e outro do deputado Izalci (PSDB-DF). O DEM, por meio dos deputados Rodrigo Maia (RJ) e Onyx Lorenzoni (RS), também divulgou nota em que anuncia que vai pedir também a convocação da ex-contadora. Como nesta semana não estão previstas sessões para votação de requerimentos na CPI mista, a tendência é que o pedido de convocação de Meire não seja votado até sexta-feira, 15.

A comissão vai ouvir na quarta-feira, 13, à tarde o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró. Em nota ao jornal O Estado de S. Paulo, em março, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o resumo feito por Cerveró e embasou a compra de metade da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), era falho e, se tivesse tido acesso a todas as cláusulas omitidas por ele, não teria avalizado a operação.

A CPI da Petrobras do Senado, por sua vez, marcou para a quarta-feira de manhã uma sessão para votação de requerimentos. Nenhum deles, até o momento, refere-se à ex-contadora de Youssef. A comissão exclusiva do Senado está sob pressão desde que foi levantada a suspeita de que haveria uma combinação de perguntas e respostas entre integrantes da CPI e depoentes ligados à estatal. Desde o início dos trabalhos, esse colegiado é boicotado pela oposição, que centra esforços na CPI mista. A reportagem não conseguiu falar com o relator da comissão, senador José Pimentel (PT-CE).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.