Graziano propõe ampliação do uso do cartão alimentação

O ministro José Graziano, da Segurança Alimentar e Combate à Fome, sugeriu a ampliação do uso do cartão alimentação, um dos instrumentos do programa Fome Zero para trabalhadores informais e empregadas domésticas. Graziano propôs a ampliação do uso do cartão durante a abertura de um seminário que discute o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) e sua relação com o Fome Zero."Desde os anos 90 o PAT é a política de segurança alimentar mais ampla que se tem no País para a classe trabalhadora, mas apesar de ser um dos maiores projetos de abrangência precisa de reformas", disse Graziano. O PAT foi criado pelo ex-ministro do Trabalho, Arnaldo Prieto, e hoje beneficia 7 milhões de trabalhadores formais com a participação de 115 mil empresas (cerca de 5% das empresas brasileiras).Segundo Graziano, o governo deve rever o PAT porque houve um crescimento, a partir dos anos 90, do trabalho no setor informal. "Talvez possamos incluir os trabalhadores informais, no PAT ou em outro sistema, talvez levar a eles o cartão alimentação", disse ele.A meta do ministro é também acabar com o uso dos tíquetes que, na avaliação dele, acabaram se transformando numa moeda paralela. "Hoje, a tecnologia é nosso grande aliado e essa conversão do tíquete em dinheiro acabaria com o uso do cartão alimentação."O ministro lembrou ainda que o programa Fome Zero, de segurança alimentar, está ligado à dignidade e criticou a idéia de usar restos de alimentos doados por restaurantes, por exemplo. "Segurança alimentar não se confunde com pobreza, comida é dignidade", disse ele. "Quem vive de esmola e catando restos em restaurantes não pode ser considerado incluído em programa de segurança alimentar."Além do ministro Graziano, participaram da abertura do seminário, que está sendo realizado no Sesc Vila Mariana, o presidente do Conselho de Segurança Alimentar (Consea), Luiz Marinho, e Paulo Pena, representante do Ministério do Trabalho e Emprego. O objetivo do evento é reunir para a discussão empresários, sindicalistas, técnicos em alimentação, governo, empresas que fornecem tíquetes, todos com a intenção de reformular o PAT.Graziano, que participou da abertura do seminário, deve acompanhar os dois painéis da parte da manhã que reunirão, respectivamente, técnicos universitários e representantes do governo. Na parte da tarde, os painéis reunirão empresários e sindicalistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.