Graziano critica "monopólio de crédito" e juros dos bancos

O ministro especial da Segurança Alimentar e Combate à Fome, José Graziano, criticou hoje o "monopólio de crédito" que existe no País. Durante encontro com o PT estadual para instalação de uma Secretaria Extraordinária de Segurança Alimentar do partido em São Paulo, hoje de manhã, o ministro questionou também as altas taxas de juros cobradas pelos bancos de seus correntistas, como por exemplo no cheque especial.Apesar das críticas, Graziano afirmou que o problema da miséria do Brasil não tem relação com a manutenção da taxa básica de juros (Selic). "Se o governo baixar 0,5%, ninguém vai sentir isso no bolso", afirmou. E voltou a dizer: "O problema está no monopólio de crédito que existe no País."Durante sua exposição, o ministro disse que ficou magoado com as críticas de membros do governo sobre a condução das políticas sociais. "Vocês devem ter visto essa pancada que tomamos, mas não me abalo. Claro que fico um pouco magoado, as pessoas precisam entender que estamos implantando um programa em construção e aberto às propostas." Graziano referiu-se especificamente às críticas que recebeu nesta semana do ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, que classificou o Fome Zero de um programa de caridade.Depois do encontro desta manhã com o diretório estadual do PT, que tem como objetivo organizar o Fome Zero no Estado de São Paulo, José Graziano encontra-se hoje à tarde com dirigentes da Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.