Graziano aposta em nova fase do Fome Zero

O ministro da Segurança Alimentar e Combate à Fome, José Graziano da Silva, aposta que o programa Fome Zero vai decolar de vez e ser melhor compreendido pela população a partir do fim deste mês.É quando começará a ser implantado na região do semi-árido nordestino, especialmente ao redor das cidades beneficiadas com o Cartão-Alimentação, programa especial de estímulo à produção agrícola que inclui oferta de crédito, garantia de compra da produção e seguro contra a perda da safra.Segundo o ministro, isso fecha o círculo virtuoso de desenvolvimento local. Depois do empurrão na demanda, colocando R$ 50 por mês nas mãos das famílias e exigindo que sejam gastos com alimentação, o governo agora estimula a oferta de itens alimentares na própria região e não em regiões mais ricas.Outra novidade do Fome Zero, segundo seu coordenador, é a definição de áreas de atendimento pelo caminho da territorialidade. Em vez de trabalhar com critérios de renda ou de utilizar como referência o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), o Fome Zero definiu áreas territoriais de maior carência - e começou pelo semi-árido.O ministro ainda inclui entre as novidades a proposta de uma política diferenciada para cada área. "A pobreza é multifacetada e precisa ser tratada em suas diferentes faces."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.