Gravações pioram situação de Roriz

Desde a apertada vitória na eleição deoutubro, o governador reeleito do Distrito Federal, Joaquim Roriz (PMDB), não consegue se livrar das denúncias de envolvimento em um esquema de grilagem de terras públicas.A situação piorou no último fim de semana com a publicação de conversas telefônicas de seus aliados. Gravações divulgadas pelarevista Época sugerem pagamentos de propinas, crimes contra a administração pública e influência de grileiros no governolocal. Nesta segunda-feira, o governador prometeu rigor nas investigações.Em uma das conversas gravadas, o empresário e deputado distrital eleito Pedro Passos - acusado pelo Ministério Público de grilar terras - reclama ao governador do presidente daCompanhia Imobiliadora da Capital (Terracap), Eri Varela. Passos se queixa de que Varela estava derrubando cercas e até casas de umloteamento ilegal. "Eu vou ligar pra ele agora, viu?", informa o governador ao empresário.Em entrevista coletiva nesta segunda, Rorizconfirmou ter conversado com Passos, mas negou ter intercedido a favor dele. "Vou mandar fazer uma apuração rigorosa, quem tiver culpa será punido", afirmou.Já num diálogo com o desembargador Wellington Medeiros, Pedro Passos diz que Eri Varela recebeu R$ 7,5 milhões de propina por uma desapropriação. "Ah, ele recebeu não foi 2, não, foi 7,5?", afirma surpreso o desembargador, que antes havia sugerido ao empresário negociar com o presidente da Terracap.Os trechos das conversas telefônicas divulgados nesta semana compõem um lote de 14 gravações entregue pela senadora Heloísa Helena (PT-AL) à Comissão de Fiscalização e Controle do Senado eà Procuradoria-Geral da República.Foneticistas ouvidos pela revista Época concluíram que as gravações são autênticas. Osdiálogos foram gravados em agosto, durante fiscalização de um condomínio irregular em terras públicas na valorizada região do Lago Norte, a poucos quilômetros do centro de Brasília.O secretário de Comunicação do Distrito Federal, Wellington oraes, em outra conversa, diz a Pedro Passos que Eri Varela tem oder sobre Roriz, pois "sempre participou daquelas coisastodas, chantageia o homem, manda no homem": "É aquele negócio, ele manda no governador", fala Moraes ao telefone.Na entrevista concedida na residência oficial de Águas Claras, o governador afirmou que tanto Wellington Moraes como Eri Varela vão permanecer nos cargos. "O Eri é um dos homens maiscompetentes e honrados que eu conheço", defendeu Roriz. "A presença dele na Terracap está incomodando muito os grileiros."Eri Varela pretende processar o desembargador Wellington Medeiros, Pedro Passos e Wellington Moraes. O desembargador, o empresário e o secretário de Comunicação não se pronunciaramsobre as denúncias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.