Gravações apontam suposto tráfico de influência em MG

Gravações telefônicas feitas pelo Ministério Público de Minas Gerais, que vieram a público nesta terça-feira, revelam ligações suspeitas e suposto tráfico de influência entre o delegado Marco Túlio Fadel Andrade, foragido da Justiça e acusado de vários crimes, e políticos mineiros e integrantes do Poder Judiciário. Ex-delegado do município de Igarapé, na região metropolitana de Belo Horizonte, Fadel é acusado de praticar tortura, concussão, coação e ameaça de agressões a testemunhas, advogados, promotores e juízas.O grampo foi autorizado pela Justiça. Boa parte das mais de 50 horas de gravações foi feita enquanto o delegado esteve preso no Departamento Estadual de Operações Especiais (Deoesp), a pedido do MPE, de 9 de outubro do ano passado a 15 de fevereiro. As gravações revelam que o delegado tinha regalias e chegou a convidar autoridades para churrascos na prisão.Entre as autoridades flagradas em conversas com Fadel estão o juiz-corregedor Wanderley Salgado de Paiva, diretor do Fórum Lafayette, deputados, a presidente estadual do PT, deputada federal Maria do Carmo Lara, além de dirigentes do partido em Igarapé.O delegado foi solto com mandado assinado pela juíza Maria José Starling, da comarca de Esmeraldas, às 23h48 de um domingo. A ordem de soltura, porém, chegou ao conhecimento da Comarca de Igarapé somente na quinta-feira. A decisão foi anulada 24 horas depois e até o fim da tarde desta terça-feira Fadel continuava foragido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.