Gravação contra Yeda vaza na web

Conversa entre empresário e membro do governo indicaria conhecimento da governadora sobre esquema

Elder Ogliari e Sandra Hahn,

11 de agosto de 2009 | 02h41

As mais de 1,2 mil páginas da peça inicial que compõem a ação de improbidade administrativa que o Ministério Público Federal moveu contra a governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), e mais oito pessoas vazaram nesta segunda-feira, 10, na internet, embora contenham provas protegidas por sigilo telefônico, bancário e fiscal. O documento, distribuído em cinco arquivos digitais, foi publicado inicialmente no site do jornalista Políbio Braga e posteriormente pelo jornal "Zero Hora".

 

Veja também:

linkAdvogado pedirá à Justiça exclusão de Yeda em ação

linkDeputados obtêm acesso a processo contra Yeda Crusius

linkYeda Crusius acusa procuradores do Ministério Público Federal

linkA cronologia do caso Yeda Crusius

linkMinistério Público pede afastamento de Yeda

 

Na semana passada, quando divulgou que moveria a ação, o Ministério Público não detalhou quais seriam as irregularidades atribuídas a cada um dos réus argumentando o sigilo do processo, que pediu para ser suspenso. A juíza acolheu parcialmente a solicitação, determinando o levantamento do sigilo dos autos, exceto sobre informações bancárias, financeiras e fiscais.

 

Além de Yeda, são demandados na ação o marido da governadora, Carlos Crusius, a assessora especial Walna Vilarins Meneses, o ex-secretário geral de governo Delson Martini, o tesoureiro da campanha do PSDB em 2006 Rubens Bordini, o presidente do Tribunal de Contas do Estado João Luiz Vargas, o deputado federal José Otávio Germano (PP) e os deputados estaduais Frederico Antunes (PP) e Luiz Fernando Zachia (PMDB).

 

Boa parte da peça acusatória está baseada em depoimento e transcrições de conversas telefônicas e gravações feitas pelo empresário Lair Ferst - réu do processo decorrente da fraude que desviou R$ 44 milhões do Detran entre 2003 e 2007. Várias delas são conversas com seu amigo Marcelo Cavalcante, ex-representante do Rio Grande do Sul em Brasília.

 

A defesa de Yeda entende que os diálogos não têm valor porque são de dois amigos referindo-se a supostas irregularidades de terceiros, sem jamais conter as vozes dos acusados. Sustenta, ainda, não estar claro em que circunstâncias e com que intenção foram gravados.

 

Numa das gravações, Ferst diz a Cavalcante que ouviu Flávio Vaz Neto, ex-presidente do Detran e também réu na mesma ação, afirmar a existência de um suposto acordo para a distribuição de valores, pelo qual caberiam R$ 170 mil à governadora. "Vou te dizer para ti o seguinte, o que eu sei. O Flávio lá no Detran mandou me chamar lá, e inclusive eu notei que o Flávio tava muito chateado, muito nervoso, muito contrariado", diz Ferst, até ser interrompido por Cavalcante, que pergunta: "Lá no Detran?". Ferst responde que sim. "Lá no Detran, lá no gabinete dele, e disse o seguinte que... que fizeram um acordo aí, um acórdão aí, para distribuir aí, valores dentre eles, aí... e, tinha ficado acertado que a parte da governadora seria 170 mil reais. Bom, aí diz que entregou os 170 mil reais no primeiro mês. No segundo mês já veio o Delson, porque no primeiro mês foi o Bordini que recebeu os 170 mil no gabinete do João Luiz Vargas, lá no Tribunal de Contas".

 

No documento que vazou os procuradores afirmam que o "elo de ligação de Maciel com Yeda Crusius era a pessoa de Delson Martini, na época ocupante do cargo de presidente da CEEE (Companhia Estadual de Energia Elétrica), cuja direção era compartilhada com Antonio Dorneu Maciel, que ocupava o cargo de diretor administrativo. Neste contexto, vislumbra-se que Delson Martini era recebedor da propina paga pelo esquema criminoso à governadora do Estado, pois é notória a sua relação de íntima amizade com Yeda Crusius".

 

Em outro diálogo de Ferst e Cavalcante, o empresário diz "ou tá refém ou ela tá gostando de estar recebendo essa grana aí que tá entrando".

 

Juíza nega pedido de afastamento

 

A juíza Simone Barbisan Fortes, da 3.ª Vara da Justiça Federal de Santa Maria, negou o pedido de afastamento da governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), feito pelo Ministério Público Federal. A decisão foi anunciada na noite desta segunda-feira. A magistrada considerou não entender como razoável o afastamento.

 

O advogado Fábio Medina Osório, representante de Yeda, comemorou a decisão. Como a decisão da juíza se refere apenas ao pedido de afastamento feito pelo Ministério Público Federal, o restante da ação prossegue e o advogado mantém o pedido de exclusão da governadora e de extinção do processo contra ela.

Tudo o que sabemos sobre:
Yeda Crusiusgravação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.