Gratz foi mandante de assassinato, afirma testemunha

Terceiro na linha sucessória do Espírito Santo, o presidente da Assembléia Legislativa, José Carlos Gratz (PFL), é apontado por uma testemunha como mandante do assassinato do empresário Albérgio Alexandre de Araújo, ocorrido em janeiro, em Búzios, região dos Lagos (RJ).Araújo era um dos donos dos bingos Arpoador e Assembléia, no Rio. Gratz, segundo o chefe da Procuradoria da República no Espírito Santo, Ronaldo Albo, seria "sócio oculto" em diversas casas de bingo. O crime estaria ligado à exploração de máquinas caça-níqueis.O deputado é um dos indiciados na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Narcotráfico. As informações constam da reportagem "Capo capixaba", da última edição da revista IstoÉ, que mostra Gratz como o "chefe de um governo paralelo", envolvido com bicheiros, responsável por diversas mortes e acusado pela Receita Federal de ter patrimônio incompatível com a renda declarada, o que lhe renderá uma multa e processo por improbidade administrativa. As novas acusações tornam ainda mais complicada a situação política do Espírito Santo, onde o governador José Ignácio Ferreira (ex-PSDB) está, desde abril, envolvido em denúncias de corrupção. José Carlos Gratz está no exterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.