Grampo: testemunha recua em depoimento

Considerado uma das principais testemunhas de acusação no caso do grampo no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o ex-técnico da Telerj Waldeci Alves de Oliveira negou parte de seu depoimento prestado à Polícia Federal em 1999. Ele garantiu nunca ter sido convidado pelo detetive Adilson Alcântara de Matos para participar do grampo. "Ele nunca me chamou pra fazer nada disso", afirmou.As testemunhas de acusação estiveram hoje na 2ª Vara Federal Criminal para prestar depoimento, mas a audiência foi transferida para amanhã. "Não sei nem porque eu estou aqui", afirmou Oliveira, que, atualmente, é sócio da ex-mulher do detetive, Jaqueline Xavier Gerhardt, na empresa Central W.N. Rio de Telecomunicações Ltda, especializada na venda e instalação de binas. Ele admitiu conhecer Matos há 15 anos, mas garantiu que não o vê há 12 anos. "Eu o conheci na época em que ele era motoboy", disse. "Nem sei em que ele trabalha hoje."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.