DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Governos acuados fazem reforma ministerial, mas para que serve a de Bolsonaro?

Quem tem obsessão por mandar e vê inimigo por toda parte não consegue nomear alguém de prestígio, que lhe faça sombra

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2021 | 03h00

Além de não perder uma, duas, mil chances de ficar calado, o presidente Jair Bolsonaro perdeu ótima chance de fazer uma reforma ministerial para valer, com um embaixador reconhecido internacionalmente no Itamaraty, um grande jurista no Ministério da Justiça e um, ou uma, parlamentar de peso para fazer a articulação com o Congresso. Mas seria esperar muito. O governo tem o tamanho de Bolsonaro. 

Governo acuado cria uma comissão e faz uma reforma ministerial. Bolsonaro não foge à regra, mas a comissão (ou frente) de combate à pandemia produziu algo hilário: todos falam uma língua para a sociedade, o presidente fala outra para a sua seita na internet. E a reforma foi um remendo. 

Com a tragédia da política externa de Bolsonaro, que mistura ideologia, crenças, implicância e burrice, o pior chanceler da história, Ernesto Araújo, deveria ser substituído por um embaixador de carreira com enorme prestígio no Itamaraty e pelo mundo afora. Nomes não faltam, mas o presidente preferiu um irrelevante, que siga o protocolo: “um manda, outro obedece”. 

Quem tem obsessão por mandar e vê inimigo por toda parte não consegue nomear alguém de prestígio, que lhe faça sombra. Luiz Henrique Mandetta caiu da Saúde mais pela popularidade do que por berrar que o coronavírus não era uma gripezinha. Sérgio Moro deixou a Justiça por ser adversário potencial em 2022, mais do que por reagir à mão pesada na PF. 

Bolsonaro cedeu à pressão para demitir Ernesto Araújo, mas buscou na própria cozinha o sucessor. O diplomata Carlos Alberto Franco França não tem delírios ideológicos, não vê comunista embaixo da cama e não persegue colegas. Ao contrário, é considerado um bom sujeito, com a cabeça no lugar. Isso, porém, não basta para o posto máximo da diplomacia. 

Como Ernesto, França jamais ocupou uma embaixada, nem foi subsecretário, chefe de Departamento ou cuidou dos grandes temas no Itamaraty. Passou pelos EUA quando jovem, mas o forte do currículo são a Bolívia e o Cerimonial do Planalto, quando o que o Brasil precisa é reconstruir relações despedaçadas com o governo Joe Biden, China, Índia, Alemanha, França, Noruega, Argentina... E não só por imagem e interlocução, mas por vacinas e medicamentos. 

Para a Justiça, Bolsonaro poderia ter nomeado um grande nome no mundo jurídico, mas, ele foi buscar também na cozinha, ou melhor, na lista de amigos dos seus filhos. Foi de lá que saiu o policial federal Anderson Torres, que já fora cotado para diretor-geral da PF e agora vai chefiar a chefia da PF. Aliás, Torres sai da Secretaria de Segurança do DF, onde teve contato privilegiado com as polícias, alvos centrais do projeto de poder dos Bolsonaro. Na mesma semana do anúncio de Torres para a Justiça e da demissão do ministro da Defesa e dos três comandantes militares, o bolsonarista Major Vitor Hugo, líder do PSL, apresentou, do nada, um projeto retirando dos governadores e jogando para o presidente o comando das polícias. Coincidência? 

Já o pastor André Mendonça sai da Justiça e volta para a Advocacia Geral da União (AGU), usando a Lei de Segurança Nacional da ditadura contra críticos de Bolsonaro, como se Lula, Dilma, FHC, Collor e Sarney nunca tivessem sido criticados. Além disso, teme-se que Mendonça assine ações de Bolsonaro contra governadores que José Levy se recusou a assinar. E Braga Neto tope fazer na Defesa o que o general Fernando Azevedo e Silva não fez. 

Na Secretaria de Governo, sai um general e entra a deputada Flávia Arruda. Chega de intermediários! O Centrão agora tem uma despachante dentro do Planalto para suas “demandas”. Ai de Bolsonaro se não atender! Isso lá é reforma ministerial? Ou só troca-troca? E quando Paulo Guedes cair? 

*COMENTARISTA DA RÁDIO ELDORADO, DA RÁDIO JORNAL (PE) E DO TELEJORNAL GLOBONEWS EM PAUTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.