Governo violou sigilo para atingir oposição, diz Alckmin

O governador de São Paulo e pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, acusou, nesta segunda-feira, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de violar o sigilo do caseiro Francenildo Santos Costa, com o objetivo de atingir a oposição. "É óbvio que este era o objetivo, pois não tinha outra razão para fazer isso", afirmou o governador, reiterando que a intenção era "desqualificar a oposição" para dizer que o caseiro estava sendo comprado.A respeito da estratégia da oposição, de partir para cima do presidente Lula, Alckmin desconversou e disse apenas: "A oposição deve ir para cima dos fatos, que são graves, pois o que ocorreu é um absurdo." Para o governador, a situação chegou a tal ponto, que provocou até mesmo a demissão do ministro da Fazenda, Antonio Palocci. "Ele não tinha como ficar após essa grave violação."Novo ministroA respeito da indicação de Guido Mantega para o Ministério da Fazenda, Alckmin disse que não tem como prever se isso vai alterar ou não a condução da economia. Mas lembrou a entrevista que Mantega concedeu nesta segunda-feira, destacando que a política econômica é do governo e não do ministro.Ainda sobre a estratégia da oposição, de acirrar o embate com o governo, Alckmin disse que tudo deve ser investigado, inclusive as relações suspeitas de Fábio Lula da Silva, o Lulinha, filho do presidente da República, com a Telemar."Não coloco as coisas da política nestes termos, pois devemos fazer as coisas com impessoalidade. Mas, se tiver que investigar, que se investigue", opinou, após inaugurar o Instituto de Psiquiatria e de Traumatologia e Ortopedia do Hospital das Clínicas e visitar as obras do Instituto Doutor Arnaldo, na região oeste da capital paulista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.