Governo vai rodar a fita para constranger ACM

A base governista no Congresso montouuma estratégia para constranger o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) durante odepoimento marcado para esta quinta-feira do foneticista Ricardo Molina à Comissão de Fiscalizaçãoe Controle do Senado sobre o encontro do ex-presidente do Senado no MinistérioPúblico. Encarregado de elaborar um laudo pericial da fita com a conversa de ACM comprocuradores, Molina vai tornar público o áudio da gravação na qual o pefelista teriaadmitido possuir a lista dos votos da sessão secreta em junho do ano passado, quandofoi cassado o mandato do senador Luiz Estevão (PMDB-DF).?Essa fita vai contribuir para desmascarar ACM, já que ele apresentou várias versõessobre o encontro com os três procuradores ? Luiz Francisco de Souza, Guilherme Schelbe Eliane Torelly?, disse o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), que integraa Comissão.Segundo Renan, Antonio Carlos disse, logo após a publicação da revista IstoÉ com umareportagem sobre a reunião no MP, que participou do encontro apenas para tratar daLei da Mordaça para o MP ? proposta que restringia a divulgação de informações pelosprocuradores no curso das investigações.?Num segundo momento, o senador afirmou que a reportagem da IstoÉ ? que reproduziu osdiálogos entre ACM e os procuradores ? não passava de uma montagem?, declarou Renan. ?Agora, vamos fazer o que for preciso para não deixar nenhuma dúvida sobre o queocorreu?, completou. O líder do PMDB iria se reunir ainda nesta quarta-feira com integrantes daComissão para definir uma estratégia para a sessão. Estava prevista ainda uma reuniãoda Comissão para formalizar o pedido de depoimento de Molina. Segundo o presidente da Comissão, senador Romero Jucá (PSDB-RR), um aparelho de somjá foi instalado na sala onde será realizada a sessão. Desta forma, os 27integrantes da Comissão poderão ouvir os diálogos.Na avaliação de Jucá, ACM ficaránuma situação ?delicada? se a transcrição confirmar as declarações publicadas pelaIstoÉ.Ele nega que o governo tenha montado uma estratégia para constranger o ex-presidentedo Senado. Mas, nos bastidores, integrantes da base do governo confirmam que a idéiaé enfraquecer o pefelista com a divulgação do teor da conversa. A Comissão estáencarregada, desde o ano passado, de apurar o suposto envolvimento doex-secretário-geral da Presidência Eduardo Jorge Caldas num suposto esquema detráfico de influência no governo e enriquecimento ilícito.Molina foi convidado a depor na Comissão, porque, no encontro de ACM no MP, ele teriaorientado os procuradores a dar prosseguimento às investigações sobre Eduardo Jorge.?Os dados que vocês receberam para pegar os Eduardo Jorge estão incompletos. Sequebrar os sigilos, vai chegar ao governo, ao presidente?, teria afirmado ACM,conforme reportagem da IstoÉ.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.