Governo vai rever benefícios concedidos a ex-combatentes

Dos 11,5 mil benefícios previdenciários concedidos a ex-combatentes da Segunda Guerra Mundial e seus dependentes, cerca de 3 mil terão seus valores revistos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O ministro da Previdência Social, Ricardo Berzoini, determinou a revisão das aposentadorias e pensões reajustadas a partir de 2000 por decisão do governo anterior, para limitá-las ao teto de benefícios do Regime Geral de Previdência Social, atualmente em R$ 1.561,56. Muitas delas são consideradas milionárias, como a paga a um beneficiário do Pará, no valor de R$ 45,2 mil. O governo pretende efetivar essa medida dentro de 90 a 120 dias. Neste período, o INSS, que já começou a analisar detalhadamente todos os 3 mil casos passíveis de revisão, vai garantir amplo espaço de defesa e justificativa dos beneficiários que serão atingidos pela medida. A projeção preliminar do Ministério é de que a economia para o INSS, com a revisão dessas aposentadorias, seja de R$ 50 milhões por ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.