Governo vai fiscalizar crédito a sem-terra

Depois de três anos liberando recursos sem muito controle, o que levou a desvios de dinheiro em quase todas a cooperativas ligadas ao Movimento dos Sem-Terra (MST), o governo voltou a anunciar que vai endurecer as regras de concessão de crédito às cooperativas. O Estado já denunciava em 1997 a cobrança de "pedágios" de 3% de recursos dos assentados.As novas regras, que serão fixadas em portaria do Ministério do Desenvolvimento Agrário, prevêem que a partir de amanhã só deverão receber recursos do governo as cooperativas que tiveram a participação de um gerente nomeado pelo Incra e pela Secretaria Federal de Controle. Além do gerente, o governo exigirá dos responsáveis pelas cooperativas treinamento em gestão administrativa, anunciou o presidente do Incra, Orlando Muniz. A medida, segundo ele, tem o objetivo evitar desvios e a cobrança de "pedágios" dos assentados da reforma agrária.O governo optou pelas novas regras após a Secretaria Federal de Controle confirmar a cobrança de "pedágios" de até 4%, desvio de finalidade de projetos, movimentação financeira sem comprovação e falta de notas fiscais da aquisição de bens e serviços em cooperativas dos Estados de Goiás, Espírito Santo e Rio Grande do Sul. As auditorias comprovaram irregularidades em nove das 14 cooperativas investigadas, cinco das quais ligadas ao MST.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.