Governo vai criar índice para medir sensação de insegurança

O governo federal pretende criar, tendo como base a violência em Santo André, um novo indicador para medir a sensação de insegurança em todo o País. A informação é do coronel José Alberto Cunha Couto, titular da secretaria de Acompanhamento e Estudos Institucionais, ligada ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República.A experiência-piloto será no município do ABC no dia 26, quando um grupo de especialistas do Instituto Latino-Americano de Prevenção à Delinqüência (Ilanudi), da Universidade de São Paulo (USP) e da Prefeitura de Santo André se reúne para aplicar a pesquisa, que ouve vítimas.De acordo com o coronel Cunha Couto que se reuniu nesta terça-feira, em São Paulo, com o secretário municipal de Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade, Márcio Pochmann, o novo levantamento pretende ser mais completo do que os usados atualmente. "Muitas ocorrências, como a violência doméstica, por exemplo, não são notificadas", afirmou ele, acrescentando que montar um indicador de violência completo não é tarefa fácil.A escolha de Santo André, segundo ele, não tem relação com o assassinato do prefeito Celso Daniel (PT), encontrado morto no dia 20 de janeiro, em Juquitiba, após ter sido seqüestrado. "A intenção era escolher uma cidade da periferia da capital, daí veio a idéia de ser Santo André", disse, ressaltando as parcerias existentes entre o governo federal e a administração municipal.O titular da Secretaria de Acompanhamento e Estudos Institucionais veio a São Paulo conhecer a pesquisa divulgada pela Prefeitura paulistana que relaciona pobreza e violência na capital paulista. Durante encontro com o secretário Pochmann, o coronel Cunha Couto se comprometeu a firmar uma parceria com o município. Ele solicitou a Pochmann a escolha de dois distritos da cidade que possam vir a ser beneficiados com programas sociais de integração que fazem parte do projeto Avança Brasil.Segundo o secretário de Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade, a Prefeitura deve escolher dois dos 50 distritos da cidade mais carentes e violentos e que são beneficiados com os programas Renda-Mínima, Começar de Novo e Bolsa-Trabalho. Entre os distritos que podem vir a ser contemplados estão Lajeado e Capão Redondo."Viemos conhecer de perto a pesquisa, já que está mais do que comprovado que há uma relação entre o aumento da pobreza e a violência", afirmou o coronel. A integração entre programas do governo federal e da capital paulista, segundo ele, deve seguir os mesmos moldes dos projetos das regiões metropolitanas do Recife, Rio de Janeiro e Vitória.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.