Governo vai concentrar defesa de Dilma no Congresso e acionar STF somente se necessário, diz Cardozo

Avaliação do Planalto é que está na hora de demonstrar força e reorganizar a base aliada e deixar a ação no Supremo como uma última cartada

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2015 | 15h32

BRASÍLIA - O ministro da Justiça José Eduardo Cardozo afirmou nesta segunda-feira, 7, que o governo vai se concentrar em defender a presidente Dilma Rousseff do processo de impeachment no Congresso e deixar para recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) somente como último recurso. A declaração foi dada  após um encontro com juristas que defendem que não há fundamento para afastar Dilma do cargo.

“Neste momento, o governo prioriza a discussão no Congresso, mas nada impede que partidos ingressem com ações”, disse Cardozo.

Até agora, coube a deputados governistas entrarem com mandados de segurança no STF para anular a decisão do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que na quarta-feira admitiu um dos pedidos de impeachment contra a presidente.

A avaliação do Palácio do Planalto é que está na hora de demonstrar força e reorganizar a base aliada e deixar a ação no Supremo como uma última cartada.

Após o encontro com juristas, Cardozo voltou a defender que o pedido de impeachment contra Dilma é “inconstitucional e ilegal”. “Não existe pacificação nem unidade nacional fora da legalidade. Pensar que fora da lei vamos encontrar uma saída para crise é um erro grosseiro”, afirmou.

O ministro também minimizou o fato de o vice-presidente Michel Temer (PMDB), um dos maiores especialistas em Direito Constitucional do País, não ter participado do encontro. Segundo ele, não há “nenhum contratempo” na relação do vice com Dilma. “Os pareces têm de ser feitos por terceiros, por juristas que não integram o governo”, disse.

Cardozo também evitou criar polêmica em torno da decisão do ministro Eliseu Padilha (Aviação Civil), um dos principais aliados de Temer, de deixar o governo. Segundo o ministro da Justiça, a demissão ainda não foi formalizada. O peemedebista fará um anúncio à imprensa às 17h desta segunda-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.