Governo terá 'tolerância zero' com desvios no PAC, diz Dilma

Ministra elogia Operação João de Barro. Para ela, a divulgação da ação da PF tem 'um caráter dissuasório'

ALEXANDRE RODRIGUES, Agencia Estado

27 de junho de 2008 | 19h18

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse nesta sexta-feira, 27,  que o governo está com o "sinal amarelo" aceso diante dos indícios de corrupção em obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Segundo a ministra, o governo terá uma postura de "tolerância zero" com o desvio de verbas. Há uma semana, a Polícia Federal (PF) prendeu 38 pessoas suspeitas de fraudar contratos de R$ 700 milhões. O esquema contaria com a influência de prefeitos, deputados e servidores públicos graduados, inclusive do Ministério das Cidades.   Veja também:  Especial: o balanço do PAC  A ministra elogiou a chamada Operação João de Barro. Para ela, a divulgação da ação da PF tem "um caráter dissuasório". Dilma afirmou que a Caixa Econômica Federal (CEF) e a Controladoria Geral da União (CGU) passarão "um pente fino" nos contratos de 17 municípios que apareceram nas investigações das supostas irregularidades. "Não achamos que ninguém é culpado antecipadamente, mas acendemos o sinal amarelo", afirmou.Ao fazer uma palestra sobre o PAC para os integrantes da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) no Rio de Janeiro, a ministra advertiu os construtores de que é preciso mudar a idéia comum no Brasil de que sempre há algum desvio no meio de um grande volume de obras públicas. "Não vamos compactuar com isso e teremos uma ação muito dura", avisou. "Para o governo, é tolerância zero."Reforma tributáriaCobrada sobre a proposta de reforma tributária enviada ao Congresso, Dilma Rousseff disse que o governo não tem maioria para aprová-la. "Nada se dá sem composição", respondeu. A ministra da Casa Civil almoçou com os empresários, mas não quis falar com a imprensa sobre as denúncias de corrupção em obras do PAC que envolvem o Ministério das Cidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.