Governo terá de conceder para aprovar Previdência, diz Brant

O deputado Roberto Brant (PFL-MG), que presidiu a Comissão Especial da reforma da Previdência, disse no programa Canal Livre, da rede Bandeirantes, que, mesmo entre os pefelistas, partido que sempre se bateu pela reforma, há parlamentares que não colaborarão para a sua aprovação. "Se o governo quiser aprovar a reforma, apenas com seus próprios votos, vai ter que fazer algumas concessões", disse. Na opinião de Brant, o governo Lula está refém de sua própria base. E, para conseguir os votos necessários para a reforma, terá que obter o apoio dos outros partidos, especialmente do PFL e do PSDB. "Se o presidente da República invocar a gravidade da situação nacional, se ele invocar os interesses permanentes do País, de uma maneira humilde mas ao mesmo tempo altiva, ele pode obter o apoio do PFL e do PSDB."Segundo Roberto Brant, as pressões virão de várias fontes. Para ele, a culpa está sendo jogada apenas sobre o Judiciário, que, na sua avaliação, está procedendo de maneira equivocada no processo. "Vocês, jornalistas, já tiveram a oportunidade de ver líderes dos partidos aliados virem à mídia, às tribunas, em seminários, defender a reforma da Previdência?" A falta de uma defesa enfática da reforma, na interpretação de Brant, explica as dificuldades de a reforma ser aprovada, tal como o projeto já submetido à Comissão Especial. Ele avalia que o projeto terá a maioria dos votos do PFL e do PSDB, inclusive pelo fato de os governadores estarem envolvidos na questão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.