Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Governo tenta se proteger para festa do PT

O Palácio do Planalto tenta evitar que fique caracterizado o uso da máquina pública na festa dos 24 anos do PT, que acontece hoje no Rio, com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O credenciamento da imprensa ficou a cargo do partido e não da Presidência. Outras providências rotineiras das viagens presidenciais, porém, foram mantidas. Ontem, estavam no Rio, vindos de Brasília, uma equipe do Planalto encarregada deorganizar a cobertura jornalística e 14 técnicos da Radiobrás, a empresa pública de comunicação, que vai distribuir ao vivo para emissoras de TV e rádio as imagens e o áudio da comemoração e do discurso do presidente. Lula viajará, como acontece com todos os presidentes em atividades oficiais e particulares, no avião presidencial e com a segurança da Polícia Federal. Já os ministros petistas terão passagens e hospedagem pagas pelo PT. "Os ministros estão indo para uma atividade partidária, não haverá custo nenhum para a União. Com o presidente da República é diferente, em qualquer atividade que ele faça, é o presidente", diz o presidente do partido, José Genoino. Está prevista a presença de 12 ministros do PT. A assessoria do Palácio do Planalto explicou que, por não se tratar de atividade de governo, o credenciamento não é de responsabilidade da Presidência. No entanto, informou que o fato de haver cobertura jornalística requer uma estrutura envolvendo funcionários da imprensa do Planalto, mesmo se tratando de um compromisso partidário e não oficial. Segundo a assessoria, a Radiobrás está encarregada de distribuir, e depois degravar para divulgação no portal oficial da internet, todos os pronunciamentos do presidente.A presença do presidente implicará na instalação de detectores de metais e em uma segurança mais rigorosa no hotel do que se estivessem presentes apenas ministros. Lula decidirá hoje se dorme no Rio ou se volta para Brasília depois da festa. O Hotel Glória deixou preparada toda a estrutura para hospedar do presidente e sua mulher, Dona Marisa.Cinco estrelas - O PT nacional vai gastar R$ 100 mil com a festa, que acontecerá às 19 horas, no sofisticado Hotel Glória, um dos mais antigos cinco estrelas da cidade. Segundo o secretário de Organização do partido, Sílvio Pereira, cerca de R$ 40 mil são para decoração do Salão Nobre e produção e exibição do vídeo feito pelo publicitário Duda Mendonça sobre os dois homenageados da noite, os fundadores do partido Apolônio de Carvalho, de 92 anos, e Antônio Cândido, de 85. R$ 60 mil são para passagens, hospedagens, transporte no Rio, refeições dos ministros, de dirigentes e de funcionários do partido, segundo Pereira.O secretário calcula que 800 convidados irão ao Hotel Glória para a festa, que Genoino prefere chamar de "ato político". Lá estarão as autoridades federais, além de presidentes de estatais e da prefeita de São Paulo, Marta Suplicy. Depois da atividade elegante, a partir das 21 horas, acontecerá uma festa mais popular, para duas mil pessoas, no Clube Boqueirão, no Flamengo, com show do sambista Neguinho da Beija-Flor. O PT do Rio gastou R$ 65 mil com a comemoração no clube e com material de propaganda (50 outdoors e 50 cartazes colados em ônibus) vinculando a imagem do candidato petista à Prefeitura do Rio, Jorge Bittar, ao aniversário do partido. Bittar, naturalmente, estará nas duas comemorações.Campanha - A festa de aniversário funcionará como um marco inicial da campanha de Bittar. As primeiras pesquisas sobre disputa eleitoral no Rio indicam amplo favoritismo do prefeito Cesar Maia (PFL), candidato à reeleição, com Bittar oscilando entre o quarto e o quinto lugar. O petista tem ficado sempre atrás do candidato do PL, senador Marcello Crivella, e do peemedebista Luiz Paulo Conde, vice-governador.O Rio foi escolhido também para amenizar a péssima repercussão na bancada federal e no empresariado fluminense da demissão de três ministros cariocas, Roberto Amaral, Miro Teixeira e Benedita da Silva.Genoino dá outra explicação para a escolha da cidade, mas reconhece o apoio a Bittar. "Temos descentralizado os eventos do PT, que estavam acontecendo muito em São Paulo e Brasília. Além disso, o Rio faz parte do eixo de criação do PT, com São Paulo e Belo Horizonte. Vamos prestigiar o Rio, o PT do Rio e o Bittar. Mas o determinante foi permitir a presença de Apolônio de Carvalho, nosso homenageado, que precisa de cuidados com a saúde," diz Genoino.Apolônio teve aprovado o aumento de sua pensão mensal pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, em dezembro do ano passado, mas ainda não recebeu o valor reajustado. A comissão entendeu que Apolônio, expulso do Exército quando era tenente, durante a ditadura de Getúlio Vargas, deve receber pensão de general-de-brigada e não de coronel, como acontece atualmente. Apolônio não faz qualquer cobrança. Diz apenas que o pagamento reajustado está "à beira da execução". E agradece a "manifestação de amizade e confiança" do PT ao homenageá-lo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.