Governo tenta dobrar poder aquisitivo do mínimo, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse em seu programa de rádio "Café com o Presidente" que o governo vem trabalhando para conseguir dobrar o poder aquisitivo do salário mínimo. "Nós estamos preparando as bases para que a gente possa cumprir com os nossos compromissos e dobrar o poder aquisitivo do salário mínimo no Brasil", afirmou, numa semana em que partidos da oposição acentuaram as cobranças de cumprimento de um promessa de campanha do então candidato Lula de duplicar o valor do mínimo em quatro anos de mandato.Sobre o baixo valor das aposentadorias, o presidente jogou a culpa no déficit da Previdência Social. "Nós temos um déficit crônico na Previdência Social que muitas vezes não permite que as pessoas tenham um salário que seria ideal para sobreviverem", disse. No sentido de contornar o problema, o presidente aproveitou o programa de rádio para anunciar a criação de uma linha de crédito bancário direcionada aos aposentados e das farmácias populares, outra promessa de campanha do candidato Lula. "Nós vamos criar mecanismos para facilitar a vida do aposentado", afirmou.Os empréstimos aos aposentados, segundo Lula, terão juros mais baixos que os cobrados em mercado. "O ministro da Previdência (Amir Lando) está preparando um pacote, e eu devo anunciar nos próximos dias. A gente vai, através do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal e dos bancos particulares, criar uma política de financiamento de empréstimos para aposentados a juros mais baixos. Isso para que o aposentado possa, se quiser, fazer uma viagem", disse. O empréstimo, segundo Lula, poderá ser pago num prazo de seis a 24 meses e o valor das prestações não poderá superar a marca dos 30% do benefício. "O empréstimo não é para sufocá-lo (o aposentado), é para ajudá-lo", comentou ao lembrar que, atualmente, os aposentados não conseguem ter acesso às linhas de crédito bancário.Em tom informal, o presidente citou o exemplo de sua sogra. "Eu, quando vejo minha sogra ir na Caixa Econômica Federal levar a aliancinha dela, levar o colar dela, para penhorar, para ter um dinheirinho para fazer uma coisa extra, isso não vai precisar ser mais feito. Isso vai acabar porque ela pode ir ao banco em que recebe (o benefício da Previdência Social) e pegar um dinheirinho emprestado em suaves prestações. E vai poder fazer o seu passeio e poder cuidar de sua saúde", disse. O presidente lembrou que, atualmente, os aposentados não conseguem obter empréstimos nos bancos por não terem crédito e em virtude das altas taxas de juros das operações de crédito bancário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.