Governo tenta convencer Senado a rejeitar reajuste do IR

O líder do governo no Senado, Arthur da Távola, disse hoje que o governo vai trabalhar para que o Senado rejeite a emenda feita pela Câmara no projeto que reajusta a tabela de alíquotas do Imposto de Renda. Com a rejeição da emenda, seria aprovado automaticamente o projeto original do Senado, que iria à sanção com deficiências, uma vez que estabelece que a correção da tabela seria com base na Ufir, índice já extinto. Outro problema, segundo o líder, seria o fato de que o projeto original prevê a correção a partir do exercício de 2000, o que implicaria em custos muito elevados, pois a correção seria retroativa a dois anos. Esses problemas, segundo o senador, justificariam o veto presidencial e, em compensação, o governo editaria uma medida provisória corrigindo o desconto padrão nas declarações de ajuste do Imposto de Renda, de 20% para 25%. O senador disse que o governo não teme um eventual desgaste em função do veto. "Governo sério enfrenta o desgaste sempre que acha que o benefício público está sendo acautelado", afirmou. O líder do governo reconhece, no entanto, que para conseguir seu objetivo é preciso o voto da maioria dos senadores, e é esse o trabalho de convencimento que será feito nos próximos dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.