'Governo tem que cumprir', diz Cunha sobre indexador de dívidas

Presidente da Câmara seguiu linha de argumento de Renan Calheiros e reforçou que os parlamentares irão insistir no embate com o governo federal pela regulamentação da lei que troca o indexador das dívidas de Estados e municípios

Carla Araújo, Elizabeth Lopes e Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo

26 de março de 2015 | 17h45

São Paulo - Na mesma linha defendida pelo seu colega de partido e dirigente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB), o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, reforçou que os parlamentares irão insistir no embate com o governo federal pela regulamentação da lei que troca o indexador das dívidas de Estados e municípios com a União. Segundo Cunha, "o Legislativo fez uma lei que o Executivo tem de cumprir". 

Indagado se o embate poderá ser arbitrado pelo Supremo Tribunal Federal, foi taxativo: "Cabe ao Judiciário julgar quem não cumpre a lei, não quem faz a lei", disse. "A lei foi feita para ser cumprida compulsoriamente", emendou, na rápida entrevista que concedeu ao chegar atrasado para o evento promovido pela bancada feminina do Congresso, na sede da Fiesp, em São Paulo, que conta com a presença de Renan, da senadora Marta Suplicy (PT) e de outras parlamentares. 

Ao comentar o parecer do advogado-geral da União, ministro Luís Inácio Adams, que disse na quarta que o momento para definição do indexador da dívida deve ser decidido pela União e não pode ser imposto, Cunha lembrou que foi relator do projeto de lei que trata do indexador, mas que "o texto é do governo". "Não era meu, eu apenas adaptei e copiei o texto como o governo mandou", reiterando que essas discussões não mudam o processo e a lei continua sendo necessária "e tem que ser cumprida". 

Apelo de Levy.  Renan concordou nesta quarta em adiar a votação do projeto que obriga o governo a regulamentar em 30 dias a troca do indexador das dívidas de Estados e municípios com a União para a semana que vem após uma reunião com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. 

A revisão do indexador, se não chega a ameaçar o cumprimento da meta fiscal deste ano, segundo economistas, pode prejudicar o ajuste proposto pelo governo num contexto politicamente conturbado em que outras medidas ainda precisam ser apreciadas pelo Congresso. 

Um dos argumentos usados por Levy para convencer Renan foi que a mudança beneficiaria apenas os municípios de São Paulo e do Rio. O Estado de Alagoas, governado pelo filho do presidente do Congresso, Renan Filho (PMDB), não teria ganhos substanciais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.