Governo suspende negociações com o MST

O Ministério do Desenvolvimento Agrário suspendeu as negociações com a direção nacional do MST em torno de uma pauta de reivindicações com mais de 30 itens. Os técnicos da comissão de negociação anunciaram a suspensão da reunião quando a Polícia Federal constatou que, em Cuaiabá (MT), vários servidores do Incra ainda estavam sendo mantidos sob cárcere privado pelo movimento. A decisão de suspender as negociações foi tomada pelo Incra em Brasília, mas foi previamente comunicada ao ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann, que estava em São Paulo. A avaliação dos técnicos do governo é de que o ministério não poderia passar uma imagem de "refém" dos sem-terra e continuar negociando, em Brasília, enquanto dezenas de funcionários não podiam sair nem entrar no prédio do Incra em Cuiabá. O coordenador-geral da comissão de negociação com os movimentos sociais do Incra, Eduardo Freire, considerou uma "traição" a iniciativa do MST em manter servidores sob cárcere privado. Um dos coordenadores nacionais do MST, Delwek Matheus, disse que o movimento vai "reagir" à suspensão das negociações, mas não deu detalhes sobre eventuais ações do movimento. "Isto é uma afronta aos trabalhadores no campo", disse Matheus. "O que acontecer é de responsabilidade do governo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.