Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Governo sofre nova derrota e fica sem aliado no comando de CPI

Relatorias da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das fake news ficaram nas mãos de senador independente e de deputada federal da oposição

Renato Onofre, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2019 | 15h37
Atualizado 05 de setembro de 2019 | 10h31

BRASÍLIA - Em uma nova derrota no Congresso, o governo perdeu os principais postos na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das fake news, instalada nesta quarta-feira, 4. A presidência do grupo ficou na mão do senador Angelo Coronel (PSD-BA), que tem um perfil considerado independente, e a relatoria com a deputada Lidice da Mata (PSB-BA), oposição a Jair Bolsonaro. O governo tentou emplacar os deputados Eder Mauro (PSD-PA), Felipe Barros (PSL-PR) e Caroline de Toni (PSL-SC) na relatoria. Nenhum dos nomes teve apoio dos membros. 

O governo tentou emplacar os deputados Eder Mauro (PSD-PA), Felipe Barros (PSL-PR) e Caroline de Toni (PSL-SC) na relatoria. Nenhum dos nomes teve apoio dos membros. 

A CPI foi criada com o objetivo de investigar a disseminação de notícias falsas nas eleições presidenciais do ano passado. A proposta da comissão foi gerida pelo Centrão e teve articulação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O grupo e o presidente da Casa são alvos de ataques virtuais de redes bolsonaristas.

“Precisamos dar um basta nisso e descobrir quais são os focos dessa indústria de fake news que abala a democracia brasileira”, afirmou Angelo Coronel. Em outro recado contra ataques nas redes, o Congresso derrubou, na  semana passada, o veto de Bolsonaro ao projeto que determina penas mais duras à propagação de notícias falsas.  

Bastidores

Na arena política, o que se pretende é blindar congressistas que são alvos de ataques na internet e identificar responsáveis por essas críticas. Entre os alvos potenciais, estão apoiadores de Bolsonaro e parlamentares aliados que fazem transmissões ao vivo nas redes sociais durante as votações do Congresso, grupo conhecido como “bancada da live”.

Nos bastidores, porém, a avaliação é de que o escopo amplo da CPI pode dar margem para investidas também contra opositores ao governo. Um dos focos de governistas é a divulgação de supostas mensagens trocadas entre o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o coordenador da Lava Jato no Paraná, o procurador Deltan Dallagnol, divulgadas pelo site The Intercept Brasil. Composta por 15 senadores e 15 deputados titulares e igual número de suplentes, a comissão terá 180 dias para  concluir seus trabalhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.