Governo sofre derrota política no Congresso

Mágoas antigas e a vontade de mostrar ao governo que sua base parlamentar no Senado é mais frágil do que parece resultaram na primeira derrota do presidente Luiz Inácio Lula da Silva naindicação de autoridades. Os senadores rejeitaram, em votação secreta, sua mensagem designando o ex-deputado Luiz Alfredo Salomão (PDT-RJ) para o cargo de diretor da Agência Nacional de Petróleo (ANP). O líder do governo, Aloizio Mercadante (PT-SP), disse não saber a motivação dos 40 colegas que votaram contra Salomão. Seu nome obteve 23votos favoráveis e houve uma única abstenção. ?Não houve nenhum crítica pública à escolha do presidente?, alegou. Já na Comissão deInfra-estrutura, a mensagem foi aprovado por unanimidade, no dia15 de maio.Os peemedebistas, e em especial o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), foram responsabilizados pelo resultado do placar. Mas como apenas 19 deles estavam em plenário, é certo que o ?não? também partiu do PFL, dos tucanos e de aliados governistas. Senadores lembraram que,em 1994, quando integrou a chamada CPI dos Anões, que investigou desvios nos recursos do Orçamento da União, Luiz Alfredo Salomão foi ?muito duro? com os então senadores Humberto Lucena (PMDB-PB) eAlexandre Costa (PFL-MA), um pefelista ligado a Sarney. O então deputado teria ainda brigado com o deputado Michel Temer (PMDB-SP) e, dos males o maior, teria feito gozação com o memorialinstalado em São Luiz para guardar documentos e objetos do governo do presidente Sarney. ?Ele era uma pessoa não grata a muitos senadores?,justificou um parlamentar. Segundo ele, tampouco agradou o fato de Salomão ter distribuído convites para a sua posse, antes mesmo de ter onome avalizado pelo Senado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.