Governo só volta a negociar se MST desocupar ministério

Cerca de 1,5 mil integrantes do movimento estão no prédio do Ministério do Desenvolvimento Agrário para reivindicar avanços no programa de reforma agrária

Rosana de Cássia, da Agência Estado

16 de abril de 2012 | 12h50

Ampliado às 13h05

BRASÍLIA - O Ministério do Desenvolvimento Agrário informou estar tomando providências jurídicas cabíveis para a reintegração de posse do prédio ocupado no início da manhã desta segunda-feira, 16, por manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O ministro Pepe Vargas, acrescenta, em nota, que espera contar com o bom senso do movimento no sentido de desocupar espontaneamente o prédio, para a continuidade das negociações já iniciadas com o governo.

A ocupação começou às 5h40 e cerca de 1,5 mil pessoas participam da ação, de acordo com cálculo da Polícia Militar. O grupo reivindica avanços na reforma agrária e assentamento de famílias. De acordo com a nota, as negociações em torno da pauta do movimento foram iniciadas na última quarta-feira, 11, com a participação do ministro Vargas e do ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho.

"Na reunião, ficou estabelecida uma agenda de negociações entre o governo federal e o MST, processo democrático que é incompatível com o comportamento iniciado na manhã desta segunda, quando membros do movimento passaram a ocupar o prédio do MDA na Esplanada dos Ministérios, inclusive bloqueando o acesso dos servidores dos três ministérios que integram o prédio aos seus locais de trabalho", afirma a nota.

Segundo a coordenação do movimento, não há previsão de término da ocupação. "Daqui só saímos quando o governo sinalizar o atendimento da nossa pauta. Diálogo e promessas nós já temos. Queremos ações concretas", disse José Ricardo Basílio da Silva, da coordenação nacional do MST, no fim desta manhã.

Tudo o que sabemos sobre:
MSTAbril VermelhoMDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.