Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Governo se preocupa com ambiente de intolerância no País, diz ministro

Edinho Silva, da Secretaria de Comunicação Social, recebeu entidades representantes do setor em Brasília, para discutir providências para que profissionais da imprensa exerçam livremente a atividade jornalística

Carla Araújo e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

10 de março de 2016 | 17h53

BRASÍLIA - O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, afirmou nesta quinta-feira, 10, que não é possível encontrar “uma origem única” para a intolerância e que o ambiente de radicalização não é bom para o País. “É inegável que estamos num ambiente que a intolerância cresce”, disse, após participar de audiência com entidades representantes do setor de comunicação social na qual recebeu um ofício que destaca a crescente onda de violência contra profissionais da imprensa e veículos de comunicação. As entidades pediram ao governo providências cabíveis para que os profissionais exerçam livremente a atividade jornalística.

O ministro destacou o compromisso do governo com a liberdade de imprensa e de expressão e disse que encaminhará a manifestação para a presidente Dilma e para o Ministério da Justiça.

O presidente da ABERT, Daniel Slaviero, disse que as associações estão acompanhando com preocupação a escalada de violência contra os profissionais de imprensa, que isso fere a o estado democrático de direito e destacou que, no ano passado, o Brasil passou a ocupar o 5º lugar no ranking de países mais perigosos para o exercício do jornalismo.

"Está tendo um equívoco e estão confundindo veículos de comunicação como protagonistas do processo político e não os são". Segundo ele, 116 casos de agressões e oito mortes foram registrados em 2015. “Nos primeiros 60 dias deste ano, já são 57 incidentes com a imprensa”, afirmou.

Manifestações. Em relação às orientações para as manifestações marcadas para o próximo domingo, Slaviero disse que tem pedido aos veículos que reforcem equipamentos de proteção e segurança para que os profissionais que forem cobrir possam ter a segurança para exercer o seu trabalho. Slaviero disse ainda que uma das medidas solicitadas é que o ministério da Justiça oriente os policiais a não agredirem os profissionais de imprensa. "Existe um acirramento geral na população. Isso é preocupante e esperamos que isto tenha tratamento adequando. Nosso foco aqui é segurança com profissionais de imprensa". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.