Andressa Anholete/Estadão
Andressa Anholete/Estadão

Governo remaneja R$ 1 bilhão para emendas parlamentares

Às vésperas do período eleitoral, Ministério da Fazenda edita duas portarias para acelerar desembolsos

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2018 | 23h13

BRASÍLIA - Às vésperas do início do período eleitoral, em que há restrições para o pagamento de emendas parlamentares e transferências voluntárias, o Ministério da Fazenda editou duas portarias que na prática permitirão uma aceleração desses desembolsos até a próxima sexta-feira, 6, último dia sem impedimentos para esses repasses. As medidas constam em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) publicada na noite desta terça-feira, 3.

+++ CCJ da Câmara aprova projeto que impede ministro do STF de suspender lei por decisão monocrática

Uma das portarias remaneja o limite de pagamento das emendas individuais impositivas em R$ 1 bilhão, o que abre caminho para antecipar os repasses para junho e julho, mas sem alterar o máximo previsto para 2018, que é de R$ 8,77 bilhões. A outra eleva o limite de pagamento para a área da saúde em R$ 500 milhões.

+++ PT começa a montar estrutura da campanha ao Planalto

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse ao Estadão/Broadcast que o governo “está tentando cumprir o Orçamento”. “Há pagamentos que têm que ser feitos até o prazo eleitoral. Vamos ficar praticamente três meses com baixa execução orçamentária”, afirmou.

A partir de 7 de julho, a lei proíbe repasses de emendas e outras transferências voluntárias pela União a Estados e municípios, a não ser em casos de obras ou serviços já em execução e com cronograma prefixado, ou em situações de emergência ou calamidade. “Queremos pagar o que efetivamente pode ser pago até o início do período eleitoral”, disse Marun.

+++ MDB deixa Meirelles e candidatos a governador sem recursos do fundo eleitoral

O ministro, que é o responsável pela articulação política entre o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional, afirmou que há em sua mesa uma série de pedidos de repasses sob avaliação, e o objetivo é analisar o que está apto para o pagamento. Segundo Marun, os pleitos em condições de atendimento somam aproximadamente R$ 1 bilhão, justamente o valor remanejado para o desembolso de emendas individuais.

+++ Eleições 2018: conheça os pré-candidatos à Presidência da República

O governo também corre para cumprir um acordo firmado com parlamentares e aprovar um projeto de lei que realoca recursos do Orçamento para a área da saúde. Essa proposta estava na pauta da sessão de hoje do Congresso Nacional, que acabou suspensa e remarcada para esta quarta-feira (4). São R$ 995,2 milhões retirados de dotações de emendas não impositivas para beneficiar outras ações, sendo R$ 730 milhões remanejados apenas para a saúde.

Esse projeto é parte de um acordo firmado pelo governo para desobstruir os trabalhos da Comissão Mista de Orçamento (CMO), e a maior parcela dos recursos deve ser destinada a emendas de parlamentares, tanto da base quanto da oposição. Marun confirmou que a proposta vai contemplar o pagamento de algumas emendas, mas disse que outras ações do Ministério da Saúde também serão atendidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.