Governo recusa acordo e tentará votar fundo de previdência complementar para servidores

Proposta não foi aceita porque há urgência na votação; PSDB, DEM e PPS devem atrapalhar

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

08 de fevereiro de 2012 | 13h27

O governo federal recusou o acordo proposto pelo PSDB e vai tentar iniciar ainda nesta quarta-feira, 8, a votação do projeto que cria o fundo de previdência complementar dos servidores públicos, o Funpresp. A ideia dos tucanos era deixar a votação para depois do Carnaval. Com a recusa do governo, PSDB, DEM e PPS devem obstruir a votação.

 

O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou que a proposta foi recusada porque há urgência na votação do fundo. Segundo ele, a intenção é começar o debate nesta quarta e tentar aprovar o texto-base, deixando para a próxima semana a análise dos destaques. "Queremos começar hoje porque com obstrução vão ser de 20 a 30 horas de votação", disse.

 

Vaccarezza garante que a base tem número para aprovar a proposta. O PDT, no entanto, já anunciou voto contra e em outros partidos, como o PR, há resistências. O PSD, que se define como independente, deve liberar a bancada.

 

A criação do fundo visa reduzir no longo prazo o déficit da previdência do setor público. O funcionalismo público passaria a ter o mesmo teto da previdência privada, atualmente em R$ 3,9 mil, e teria de contribuir para o fundo com 8,5% de sua renda acima deste montante para ter uma aposentadoria adicional. O governo entraria com o mesmo porcentual do servidor no fundo.

 

A oposição tem resistências ao projeto por não enxergar garantias de rentabilidade e de blindagem política do fundo. Uma das propostas é fazer com que os diretores tenham de se submeter a sabatinas no Senado. Vaccarezza afirma que o governo é contra. "Não tem nexo ter sabatina para um cargo que será como de iniciativa privada. É a mesma coisa de você querer sabatinar um presidente da Petrobras". Ele afirmou que essa exigência não impediria politização na escolha dos diretores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.