Governo quer votar hoje regime especial de licitação

O governo vai tentar votar hoje a proposta que permite um regime especial de licitação e contratação para as obras necessárias à realização dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016, da Copa do Mundo em 2014 e da Copa das Confederações em 2013. O denominado Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC) vai permitir ao governo correr com as licitações para que haja tempo suficiente para a conclusão das obras.

DENISE MADUEÑO, Agência Estado

04 de maio de 2011 | 16h17

O novo regime de licitação foi incluído no texto da Medida Provisória 521, originalmente editada para ampliar o valor da bolsa de médico residente, com votação marcada para a sessão da tarde de hoje na Câmara. O PSDB e o DEM estão obstruindo a sessão.

O novo sistema prevê a empreitada integral, quando a empresa fica responsável por todas as etapas das obras, serviços e instalações. Nesse sistema, a empresa é contratada para entregar a obra pronta para entrar em operação. O projeto também prevê um bônus conforme o desempenho da empresa contratada. Esse bônus pode ser pago para quem antecipar a entrega da obra, por exemplo. A definição de como será feito esse pagamento fica por conta de regulamento do governo. Para evitar longas disputas e recursos, a proposta permite apenas uma única fase de recurso.

O líder da bancada tucana, Duarte Nogueira (SP), afirmou que o projeto será a volta do "mensalão", porque, segundo ele, os processos licitatórios são inadequados, com escolhas feitas com base em subjetivismo. Ele aponta a falta de detalhamento do projeto. "O próprio vencedor definirá, após ter firmado o contrato, os projetos básico e executivo", disse. "Esse subjetivismo é uma porta aberta para a corrupção. A verdade é que estamos assistindo ao retorno do mensalão", disse Nogueira.

A relatora da medida provisória, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), considera que, ao transferir para a mesma empresa a responsabilidade pela realização dos projetos e a execução integral da obra, haverá uma redução de riscos de falhas e, caso ocorram, ficarão por conta da empresa contratada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.