Governo quer reduzir tensões para votar pré-sal em 2009

O governo decidiu baixar o nível deenfrentamento com o Congresso para viabilizar uma pautaprioritária em 2009. Uma das principais metas é contar com umambiente político na discussão do pré-sal, disse uma fonte doPlanalto. A decisão de criar um clima menos hostil com o Legislativofoi tomada após meses de desentendimento nos bastidores entre oPlanalto e o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP).Apesar de o petista não ser mais o chefe da Casa no próximoano, o governo quer garantir ambiente favorável à sua pauta em2009, quando considera ser viável a aprovação de projetos maisdifíceis. Em 2010, avalia a fonte, será muito complicado aprovarmatérias polêmicas. No caso do pré-sal, a expectativa é quemudanças sejam apresentadas e votadas no ano que vem. "Tudo que cria atrito tem que se tirar da frente...Arelação do Executivo com o Legislativo, quanto mais afinadafor, melhor", disse o ministro das Relações Constitucionais,José Múcio após reunião da coordenação política do governo,nesta segunda-feira. Como prova dessa disposição, Múcio revelou que o Palácio doPlanalto já indica um eventual apoio a mudanças no trâmite demedidas provisórias no Congresso. Indagado sobre a MP que cria o ministério da Pesca e quenão foi bem recebida pelo Congresso, Múcio afirmou que "a essaaltura, o melhor é retirar." Outro ponto que o governo quer tratar em 2009 é a reformapolítica. Na quarta-feira, Múcio e o ministro da Justiça, TarsoGenro, apresentarão aos presidentes da Câmara, do Senado e daOrdem dos Advogados do Brasil (OAB) uma lista de sugestões paraa reforma política. A fidelidade partidária, com uma janela para mudança delegendas, é considerado o aspecto de maior consenso. O pontomais polêmico é a lista fechada para candidatos, cujadiscussão, segundo Múcio, deve ficar para um segundo momento. "Estamos estimulando o debate sobre reforma política no anocerto para discuti-la", disse Múcio.(Reportagem de Natuza Nery)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.