Governo quer prorrogar CPMF e manter alíquota de 0,38%

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, informou que a idéia do governo é, em princípio, propor a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) nos termos atuais - com alíquota de 0,38% - para os próximos quatro anos. A contribuição gera uma receita anual de R$ 32 bilhões."Vamos discutir com as lideranças a conveniência de enviarmos um projeto ao Congresso para renovação da CPMF e da Desvinculação das Receitas da União (DRU), mas não sei em que termos. A idéia é cobrir este governo e depois eu não sei", disse nesta segunda-feira, 9. Mantega deixou o Ministério da Fazenda para uma reunião no Palácio do Planalto do Conselho Político, que inclui lideranças partidárias. O ministro disse que quer ouvir das lideranças quais são as possibilidade do governo. O ministro disse que uma eventual redução da CPMF deve ficar para mais adiante. "Futuramente teremos que pensar em redução gradual da CPMF, mas ela terá que ser seletiva, porque a CPMF atinge transações diferentes porque incide sobre transações financeiras, transações mercantis e é preciso saber o que é prioritário."Segundo Mantega, o governo deve continuar a desoneração de outros tributos, que tenham impacto mais favorável sobre a produção. "Nesse momento, não acredito que seja a redução da CPMF que vai ter este impacto. Outro tipo de desoneração é mais importante do que a CPMF", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.