Governo quer novo estatuto para usar militares em cidades

O governo pretende enviar aoCongresso um projeto de lei até o final do ano com mudanças noestatuto jurídico das Forças Armadas para permitir o uso detropas em conflitos urbanos. Segundo o ministro da Defesa, Nelson Jobim, a proposta, queserá feita após discussão com a sociedade, visa impedir quemilitares sejam julgados como civis por atos cometidos duranteessas operações. "Espero enviar até o fim do ano, depende da natureza dadiscussão", disse o ministro a jornalistas. Jobim foi enfático ao afirmar que não permitirá o uso dastropas caso o estatuto jurídico não seja modificado. "Vários governadores e vários setores da sociedade querem ouso das Forças Armadas em conflitos urbanos", disse o ministroa jornalistas durante congresso promovido pela Federação dasIndústrias do Estado de São Paulo. "Se não (houver a mudança)não tem conversa." De acordo com o ministro, as Forças Armadas têm "expertise"para realizar esse tipo de operação. "Veja o Haiti." O Brasil comanda cerca de 7.060 militares que fazem parteda missão de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no paíscaribenho desde 2004, quando uma revolta armada provocou aqueda do então presidente Jean Bertrand Aristide. Atualmente o país contribui com 1.213 militares para oefetivo da força de paz da Organização das Nações Unidas. (Por Eduardo Simões; edição de Alexandre Caverni)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.