Governo quer mudar subteto; governadores resistem

Os governadores estão resistindo e o relator da reforma da Previdência, Maurício Rands (PT-PE), examina a possibilidade de nova modificação na proposta de fixação de subtetos salariais. Ontem à noite, em reunião na Casa Civil, ficou acertado que o subteto deveria corresponder a 75% do salário de um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), como afirmou o líder do PT, Nelson Pellegrino. Os governadores estão sendo consultados a respeito da proposta e ponderam que esse limite não resolve os problemas nos Estados e poderá, inclusive, se adotado, gerar novas pressões por aumentos salariais. Trata-se de uma alternativa que manterá a situação atual de os funcionários receberem salário superior ao dos governadores. Atualmente, considerando-se um salário de R$ 17 mil de um ministro do STF, o novo limite seria de R$ 12 mil, enquanto um governador recebe R$ 8 mil. Diante do novo quadro, uma nova alternativa está sendo avaliada, desta vez considerando a possibilidade de criação de três subtetos. O primeiro deles considera que os salários dos servidores do judiciário nos estados devem corresponder a 75% do salário do ministro do STF. Para os funcionários do executivo estadual, o subteto deve ter como limite o salário do governador. E para os funcionários do legislativo mantém-se a equivalência atual de 75% dos salários dos deputados federais. Esta nova alternativa está sendo discutida pelo relator e outros parlamentares aliados ao governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.