Governo quer mais 320 mil no Bolsa Família em 2011

A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, anunciou hoje que a meta do Plano Brasil sem Miséria para este ano é incluir mais 320 mil famílias no Bolsa Família, uma das linhas de ação do programa. Ela divulgou o número após a primeira reunião do ano convocada pela presidente Dilma Rousseff com ministros da área social, da qual participaram o vice-presidente Michel Temer e titulares de pastas do núcleo duro do governo, como Miriam Belchior, do Planejamento, e o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, representando o Ministério da Fazenda. Trata-se de um encontro preparatório para a primeira reunião ministerial do ano, agendada para a próxima semana.

ANDREA JUBÉ VIANNA, Agência Estado

19 de janeiro de 2012 | 15h58

Tereza Campello frisou que não foi uma reunião de balanço, mas, sim, de definição de linhas de ação e expectativas para este ano. Segundo a ministra, Dilma mostrou-se satisfeita com os resultados do plano no ano passado, mas frisou que "precisamos e queremos fazer mais". No ano passado, foram cadastradas mais 407 mil famílias. Atualmente, o Bolsa Família atende 13,3 milhões de famílias, que recebem um benefício médio de R$ 120. O objetivo do plano Brasil sem Miséria é retirar 16 milhões de famílias em condições de extrema pobreza, com renda inferior a R$ 70 por pessoa.

O governo trabalha em parceria com Estados para implantar a marca de "federalismo social", explicou a ministra. Nesse sentido, atua em parceria com oito Estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Goiás, Mato Grosso, Amapá e Rondônia) e o Distrito Federal, que garantem uma complementação da renda do Bolsa Família.

Ainda segundo Tereza, Dilma pediu na reunião que as ações do Brasil sem Miséria continuem priorizando as crianças. De acordo com a ministra, foram incluídas 1,3 milhão de crianças no Bolsa Família no ano passado. Outra frente é atender as gestantes e nutrizes - a meta para 2012 é incluir 130 mil no Bolsa Gestante.

Outro compromisso para este ano é ampliar em 300 mil o número de vagas no Pronatec (Programa Nacional de Ensino Técnico) a fim de garantir a qualificação profissional dos beneficiários do Bolsa Família. Por fim, a presidente pediu maior integração dos ministérios que estão à frente do Brasil sem Miséria - Desenvolvimento Social e Desenvolvimento Agrário - com as pastas da Saúde e da Educação. O ministro da Educação, Fernando Haddad, e seu sucessor, Aloizio Mercadante, participaram da reunião, ao lado do ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Mais conteúdo sobre:
Bolsa Famíliainscrições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.