Governo quer inviabilizar comissão que convocou Dilma

Após cochilo, líderes da base querem retirar todos integrantes da comissão e impedir sessões

15 de abril de 2008 | 16h38

Depois de cochilar mais uma vez na Comissão de Infra-estrutura, que  aprovou nesta terça-feira, 15, uma nova convocação da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, o governo vai tentar agora inviabilizar o funcionamento da própria comissão. A líder do PT, senadora Ideli Salvatti (SC), disse que uma das idéias do líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), é retirar todos os integrantes da comissão, o que impedirá que realize sessões por falta de quórum, uma vez que o governo é maioria. "A gente tava lá, a gente apresentou requerimento e ele simplesmente encerrou a sessão", reagiu a senadora Ideli Salvatti ao comentar a decisão do presidente da Comissão de Infra-estrutura, Marconi Perillo (GO), de encerrar a sessão impedindo a votação dos requerimentos. Para Ideli, Perillo está agindo de forma partidária.  Veja também: Vazamento de dossiê contra FHC abre guerra dentro da Casa CivilDossiê FHC: o que dizem governo e oposiçãoPF pede a governo dados sobre segurança da Casa CivilPF abre inquérito para apurar vazamento de dados de FHCDossiê com dados do ex-presidente FHC  Entenda a crise dos cartões corporativos   O requerimento aprovado na Comissão é para que Dilma fale sobre o uso irregular de cartões corporativos. A iniciativa do tucano Mario Couto (PSDB-PA) é uma ação preventiva para que, indagada sobre cartões, a ministra não se negue a responder argumentando que a convocação se refere apenas a obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Ideli Salvatti disse que a estratégia de o governo retirar todos os integrantes da comissão poderá ser estendida a todas as comissões do Senado. É que a oposição apresentou requerimentos de convocação da ministra Dilma em várias comissões. Na quarta, por exemplo, a comissão de Constituição e Justiça examina requerimento de convocação da ministra Dilma. Um requerimento semelhante está na pauta da Comissão de Meio Ambiente, Fiscalização e Controle. Os dois requerimentos foram apresentados pelo líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM). Golpe e ironia  Ideli classificou o fato como "repetição de um golpe", em referência a requerimento.  A senadora afirmou que a suposta montagem de dossiê não é tema da competência da CI e sustentou que tal convocação é vedada pelo Regimento Interno do Senado. Virgílio reagiu com ironia à afirmação da líder do PT, Ideli Salvatti, de que o governo poderia retirar todos os seus representantes em todas as comissões do Senado . "Eles podem até fechar o Senado se quiserem, mas tenho certeza de que isto é pura bravata", disse.  Texto atualizado às 16h40 (Com Marcelo de Moraes, de O Estado de S.Paulo) 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.