Governo quer explorar capital político de cada ministro

Depois de perder a votação da CPMF noSenado, no fim de 2007, o governo quer que os ministrosutilizem o seu capital político junto aos parlamentares paraassegurar que a base aliada no Congresso efetivamentefuncione. Essa foi a principal decisão da reunião ministerial destaquarta-feira, segundo relato do ministro das RelaçõesInstitucionais, José Múcio. "Temos 53 senadores e precisamos administrar isso. Temosmaioria para aprovar qualquer PEC", afirmou Múcio, deixandoclaro que a derrota do governo na CPMF se deveu ao descuido dogoverno na sua relação com a base de apoio. "Na Câmara, tivemos duas vitórias fantásticas. No Senado,se deu um embate político. A coisa foi fulanizada, houvedescaso em coisas importantes", disse Múcio, ainda referindo-seà votação da CPMF. Para garantir o apoio mais firme dos partidos que integrama base aliada, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer oengajamento dos ministros. "Esse foi um tema importante da reunião para que nósorganizássemos mais o potencial político da cada ministro. Ogoverno é resultado da coalizão de 14 partidos. Precisamosexatamente de troca de informação para que o governo atuepoliticamente como somatório do potencial de cada ministério",disse Múcio. A questão política, como proposto por Lula, foi a tônica dareunião. Falaram 18 ministros e a síntese foi aprimorar orelacionamento político com o Congresso e fortalecer a relaçãocom as lideranças. José Múcio disse que cada ministério tem que fazer a suaparte, atender mais parlamentares, mas a avaliação geral é deque falta uma troca maior de informações. "Às vezes, um parlamentar não está sendo atendido em umministério, mas está sendo atendido em outro", disse Múcio, quepassará a centralizar as informações. "Os ministérios nosinformam os seus contatos, assim como informamos no que cadaparlamentar já foi atendido." A maior integração entre os ministros e ministérios foiconsequência da repreensão de Lula, que na abertura da reuniãopediu maior diálogo entre sua equipe. "Penso que entre vocês existe pouca conversa política. Eudiria que há meses e meses que vocês não conversam entre si,que não trocam idéias", disse Lula. "Certamente as pessoas conhecem menos do que deveriamconhecer das coisas que o governo faz porque o sistema deinformação e comunicação entre nós talvez não seja o maisperfeito ainda", acrescentou Lula, destacando que "a política éo centro da atividade de um governo". (Texto de Mair Pena Neto, Edição de Alexandre Caverni)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.