Governo quer construir memorial para vítimas da ditadura

A ministra da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, anunciou ontem que o governo federal pretende construir um memorial em homenagem aos desaparecidos no período da ditadura militar e suas famílias. Ela, porém, não informou o local nem a possível data de inauguração do monumento.

AE, Agência Estado

23 de março de 2011 | 12h22

"Que nesse memorial se registre os desaparecidos e os mortos pela ditadura. Que se registre que o Estado brasileiro torturou e matou, mas que se registre também que as famílias dos desaparecidos nunca abandonaram seus entes queridos", disse a ministra enquanto acompanhava buscas por restos mortais de dois desaparecidos no Cemitério da Vila Formosa, em São Paulo, conforme divulgou a Agência Brasil.

Uma comissão formada pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos, pelo Ministério Público Federal (MPF) e pela Polícia Federal (PF) tenta encontrar desde o mês passado restos mortais de Virgílio Gomes da Silva, o Jonas, morto pela ditadura militar em 1969; e Sérgio Corrêa, que morreu na explosão de um carro no mesmo ano.

Nesse tempo, o grupo, que tem até amanhã para terminar os trabalhos, exumou 40 ossadas. A ministra afirmou que o Estado brasileiro tem a obrigação de localizar e identificar as vítimas do regime militar e, segundo ela, o governo tem cumprido seu papel ao organizar buscas no Araguaia, na região amazônica, e no Cemitério da Vila Formosa, na capital paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.