Governo quer avançar com CPI, diz ministro

O ministro do Trabalho, Jaques Wagner, e o líder do PT na Câmara, Nelson Pellegrino (BA), afirmaram hoje que o governo está disposto a dar curso à CPI que vai investigar a evasão de divisas no País. "A CPI tem um custo, mas é preciso fazer com que ela não perturbe a agenda normal. Deixar de apurar também não contribui", disse Wagner. Já o líder Nelson Pellegrino afirmou que a orientação do governo é no sentido de não se usar a CPI como palanque. "Não recebi nenhum pedido do governo para impedir a instalação da CPI e já indiquei os integrantes do PT na Comissão", disse. O ministro e o líder consideram normal uma eventual decisão dos servidores públicos de entrarem em greve para pressionar pela retirada da reforma da previdência da pauta do Congresso. Segundo o ministro, a decisão dos servidores faz parte do jogo democrático. "Estamos habituados a isso e vamos conversar com os servidores", disse o ministro. Já líder do PT disse que o governo gostaria que não houvesse greve e nesse sentido já sinalizou que vai negociar com os servidores o texto da reforma. Ele não quis, no entanto, antecipar o que o governo vai oferecer para obter o apoio dos servidores. "Só a negociação vai definir o que poderemos fazer. Não posso predeterminar isso, antes de sentar à mesa com os servidores".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.