Governo quer acelerar votação de projeto que prorroga CPMF

Roseana Sarney teria dito, segundo líder do governo na Câmara, que não se pode abrir mão de R$ 34 bilhões

Leonencio Nossa, da Agência Estado,

02 de agosto de 2007 | 15h20

O líder do Governo na Câmara, deputado José Múcio Monteiro (PTB-PE) informou que, durante a reunião do Conselho Político nesta quinta-feira, 2, foi discutida a agenda de votações de projetos de interesse do governo no Congresso, em especial a proposta de prorrogação da vigência da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e da Desvinculação de Recursos da União (DRU).   Múcio disse que a líder do governo no Congresso, senadora Roseana Sarney (PMDB-MA), demonstrou preocupação com a demora na apreciação da proposta de prorrogação da CPMF, atualmente tramitando na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. "Não podemos abrir mão de R$ 34 bilhões", disse Múcio, referindo-se à arrecadação anual do governo com a cobrança da CPMF.   Ainda segundo relato de Múcio, Lula disse que, durante a viagem que fará a partir do próximo dia 6 à América Central, os ministros Dilma Rousseff (Casa Civil), Walfrido Mares Guia (Relações Institucionais) e Paulo Bernardo (Planejamento, Orçamento e Gestão) ficarão encarregados de acertar com os partidos aliados novas nomeações para cargos do segundo escalão do Poder Executivo.   As nomeações são uma exigência dos aliados para apoiar no Congresso projetos do governo, incluindo a prorrogação da CPMF. O conselho é integrado por dirigentes dos 11 partidos do chamado governo de coalizão. Na reunião, Lula tratou ainda da crise aérea e, segundo participantes, teria dito não saber da gravidade dos problemas no setor e criticado o excesso de órgãos na aviação civil, o que dificultaria, segundo ele, a superação da crise. O presidente teria ainda reiterado que o novo ministro da Defesa, Nelson Jobim, tem "carta branca" para agir.

Tudo o que sabemos sobre:
CPMFconselho político

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.