Governo prorroga dívida de produtor atingido por seca no Nordeste

A presidente Dilma Rousseff anunciou nesta terça-feira a prorrogação do prazo de pagamento das dívidas contratadas por produtores agropecuários do Nordeste atingidos por uma das secas mais rigorosas das últimas décadas na região.

Reuters

02 Abril 2013 | 12h16

"Todos os agricultores que contrataram crédito para produção tiveram problemas. Nós não podemos ignorar que houve problemas. Se você não teve produção, você não tem receita para pagar sua dívida", disse Dilma.

O conjunto de medidas anunciadas pelo governo federal chega a 9 bilhões de reais de recursos para minorar os efeitos da seca, segundo a presidente, que participou de reunião do Conselho Deliberativo da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), em Fortaleza, na qual o anúncio foi feito.

"Por essa razão nós autorizamos para todos os produtores de municípios da Sudene com situação de emergência reconhecida pelo governo federal, a prorrogação do pagamento das dívidas contratadas no período de 2012 a 2014 por um período de 10 anos, com início de pagamento, no caso dos produtores empresariais, em 2015, e no caso dos agricultores familiares, para 2016", acrescentou a presidente.

Dilma não entrou em detalhes sobre as condições que serão estabelecidas para os produtores.

Dilma afirmou no mês passado que os investimentos do governo federal para aumentar a oferta de água no Nordeste serão de aproximadamente 30 bilhões de reais até 2014.

Em fevereiro, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, já havia anunciado uma ajuda de crédito no valor de 3,6 bilhões de reais a pequenos agricultores afetados pela seca.

A presença de Dilma no Nordeste tem sido cada vez mais frequente, e a presidente lembrou durante a reunião do conselho da Sudene que a região tem crescido mais que o Brasil como um todo nos últimos anos, e dessa forma merece atenção especial.

Na semana passada, a presidente esteve em Pernambuco, ao lado do governador do Estado e potencial candidato adversário à Presidência da República, Eduardo Campos (PSB), em cerimônia de inauguração de uma adutora para combater os efeitos da seca na cidade pernambucana de Serra Talhada.

(Por Pedro Fonseca no Rio de Janeiro, com reportagem adicional de Felipe Pontes)

Mais conteúdo sobre:
POLITICA DILMA SECA EMPRESTIMOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.